Lupa
share image

O que é ESG e como implementá-lo na sua empresa

Gestão Eficiente

Autor: Marketing BHub

Publicado em 8 de fevereiro de 2022

Publicado em 8 de fevereiro de 2022

Nem só de processos produtivos e finanças vive uma empresa. O papel social de um empreendimento vai muito além de planilhas e ferramentas. Ele engloba pessoas, posturas e relacionamentos.

É nesse cenário que surge o ESG. Os temas abordados por esse conceito são essenciais para toda a sociedade. Eles mostram como empresas ao redor do mundo podem acelerar seu impacto de transformação social, através da adoção de práticas cotidianas.

Porém, nem sempre fica claro qual é o objetivo principal dessas práticas. Por consequência, muitos empreendedores não sabem como implantar o ESG de maneira efetiva em um negócio. O que, por vezes, acaba sendo prejudicial, já que a imagem da companhia pode ficar comprometida perante a opinião pública.

Por isso, preparamos este artigo com tudo que você precisa saber sobre ESG, incluindo algumas dicas para implantar políticas alinhadas a esse conceito. Acompanhe a seguir!

O que é ESG?

O termo ESG é uma sigla para environmental, social and governance. Ou seja, é um conceito que aborda práticas relacionadas ao meio ambiente, impacto social e de governança.

A sigla surgiu em 2004 no relatório Who Cares Wins. Essa iniciativa da ONU (Organização das Nações Unidas) traz recomendações e diretrizes que visam ajudar empresas a incorporar cada tema em suas atividades.

Cada uma de suas áreas traz aspectos particulares que devem ser analisados por uma startup:

Meio ambiente

Gestão de resíduos, reciclagem, uso de fontes renováveis de energia, eficiência energética, redução de emissões de gases que causam efeito estufa, entre outros.

Social

Respeito e estímulo à diversidade, direitos humanos e leis trabalhistas. Além de relacionamento e impacto social com a comunidade, relacionamento com parceiros que tenham as mesmas preocupações sociais, etc.

Governança

Transparência de dados, conduta corporativa, comitês de auditoria ou compliance, canais de denúncia para colaboradores. Também é importante a independência e diversidade em conselhos, no alto escalão da empresa e áreas de destaque.

Um grupo de pessoas, de várias etnias, está em um escritório, rindo e conversando. Elas estão ao redor de uma mesa, onde há um laptop branco, um copo de água, uma xícara de café e várias folhas de papel com gráficos.
Apesar de não ser tão citado quanto às áreas financeira e administrativa, o ESG é igualmente importante.

Importância e benefícios do ESG para startups

Tratar de questões ambientais, sociais e governamentais não é nada fácil, certo? Afinal, você estará lidando com seres humanos e suas muitas variáveis. Apesar disso, a preocupação com elas é de extrema importância e pode ser um diferencial para o seu negócio.

Empresas que se preocupam com a preservação do meio ambiente e com o bem-estar de seus funcionários, por exemplo, alcançam vários benefícios. Confira alguns:

Maior impacto social

Toda empresa, desde startups até conglomerados empresariais, pode impactar positivamente a sociedade em diferentes níveis. Isso diz respeito ao público interno, como colaboradores, aos parceiros comerciais e também à comunidade de forma geral.

Ao adotar políticas de ESG, tudo que se refere ao aspecto social da empresa pode ser transformado. Dessa maneira, o negócio poderá deixar um legado positivo para as pessoas, com possibilidade de contribuir para uma sociedade menos desigual.

É importante lembrar que adotar medidas de impacto social traz certos benefícios, como:

  • Imagem positiva para o público interno e externo, que pode ser convertida em uma boa propaganda da empresa;
  • Taxa maior de retenção de colaboradores. Em uma pesquisa noticiada pela Forbes, a consultoria Robert Half apurou que 50% dos profissionais consideram fatores de ESG para decidir permanecer em uma empresa;
  • Reconhecimento através de parcerias, selos e até premiações, como a GPTW (Great Place to Work), que ajuda na atração de talentos.

Mais sustentabilidade

A preservação do meio ambiente é um assunto cada vez mais em pauta. E as empresas, de todos os tamanhos, têm muito a contribuir para diminuir o impacto ambiental gerado pelo ser humano no planeta. Logo, startups também devem se preocupar em reduzir os danos ambientais de suas atividades.

Além de contribuir para preservar o planeta, adotar práticas sustentáveis é positivo do ponto de vista comercial. Em um estudo realizado pela Opinion Box, 55% das pessoas responderam que dão preferência a empresas reconhecidas por cuidar do meio ambiente.

O mesmo material indica que 42% dos entrevistados se preocupam em buscar informações sobre as práticas ambientais de uma empresa. Por isso, é essencial que sua startup se preocupe com a sustentabilidade para dialogar com os interesses do público.

Menos situações de corrupção ou de falta de ética

No que se refere à governança, ao adotar processos alinhados ao conceito ESG, uma startup pode transformar sua gestão e liderança. Além disso, uma boa governança diminui a chance de fraudes ou situações antiéticas.

Segundo a mesma pesquisa da Opinion Box citada anteriormente, metade das pessoas entrevistadas não comprariam produtos ou contratariam uma empresa envolvida em escândalos de corrupção.

Também existe uma série de punições previstas na legislação. Elas não apenas geram multas e impactam o funcionamento de um negócio, como também mancham a reputação e credibilidade no mercado.

Por isso, aderir à agenda ESG contribui para que, no aspecto da governança, a startup esteja alinhada aos valores éticos e processos de fiscalização. Estes, por sua vez, reduzem as possibilidades de fraudes ou casos que podem desrespeitar a lei e princípios.

Mais chances de obter investimentos

O relatório Inside ESG Tech Report, da empresa Distrito, apresenta um número bem interessante. Segundo ele, desde 2011, startups do Brasil com soluções para as melhores práticas ambientais, sociais e de governança receberam investimentos de aproximadamente US$911 milhões.

Inclusive, existem fundos de investimento e venture capital específicos para fazer aportes em companhias que adotam o ESG de maneira profunda. Portanto, quem implantar políticas do tipo tem mais chances de conseguir investimentos. Afinal, o conceito é bem-visto no mercado e pode até ser um pré-requisito para a captação de investimentos.

Uma pessoa branca, vestindo camisa rosa, está fazendo uma espécie de “casinha” com as mãos para um círculo formado por bonequinhos de papel, todos de mãos dadas.
O ESG preza por um ambiente de trabalho igualitário, harmônico e sustentável.

Como implantar políticas de ESG na sua startup

Muitas empresas já adotam algumas das boas práticas de ESG. Nesses casos, a adaptação é mais fácil, já que todos os colaboradores estão acostumados com os conceitos.

Se você está começando sua startup, ou simplesmente deseja implementar mais práticas de ESG na rotina da sua empresa, listamos algumas dicas. Acompanhe!

1. Adote políticas sociais internas

Existem diferentes exemplos de políticas que uma startup pode adotar para estar alinhada ao aspecto social do ESG. Processos seletivos voltados especificamente para grupos sociais minorizados, como pessoas negras e comunidade LGBTQIA+, são bons exemplos.

Também há outras possibilidades, como pesquisas de satisfação com equipe e clientes, além de programas de diversidade para retenção e capacitação de talentos na empresa.

Além disso, procure oferecer benefícios que vão melhorar a qualidade de vida dos seus colaboradores. Da mesma forma, estimule-os a terem um equilíbrio entre vidas pessoal e profissional.

2. Tenha boas práticas de sustentabilidade

Essenciais para a sociedade, as boas práticas de sustentabilidade e respeito ao meio ambiente podem ser facilmente incorporadas à rotina da empresa.

O descarte adequado de resíduos, reciclagem, redução do desperdício e o reaproveitamento de materiais são as práticas mais comuns. Diminuir o descarte com o uso de itens próprios também é bem prático e acessível. Ao invés de usar um copo descartável, você pode trocá-lo por uma caneca ou uma garrafinha. 

Por fim, existem práticas mais abrangentes como a digitalização de processos para diminuir o uso de papel ou a redução das emissões de carbono. Essas costumam demandar mais tempo para serem totalmente implementadas, porque causam mudanças maiores.

Um globo terrestre feito de vidro está em um solo coberto de grama verde. A luz do Sol atravessa o globo, formando alguns reflexos.
Cuidar do meio ambiente é uma tarefa de todos.

3. Crie ou estimule projetos sociais

Ajudar o próximo é sempre um ato de compaixão. Sendo assim, essa atitude não deve ser imposta, mas sim estimulada. Incentive sua equipe a fazer o bem e veja como isso afeta positivamente todo o ambiente profissional.

Comece criando programas de voluntariado entre os colaboradores. Assim, apenas aqueles realmente interessados vão se engajar no projeto. Com o tempo, outras pessoas serão naturalmente atraídas ao observarem os resultados.

Em seguida, você pode selecionar uma comunidade ou ONG próxima à empresa para ajudar. Patrocinar projetos sociais, doar roupas e cestas básicas, e fazer um acompanhamento médico, por exemplo, são ótimas atitudes para colaborar com o bem-estar de quem precisa.

4. Divulgue e promova as práticas de ESG

Você pode criar comitês de diversidade ou de trabalho voluntário para lembrar seus funcionários de praticar o ESG. Através dessas iniciativas, é possível realizar pesquisas de clima interno da organização, visando entender como está o ambiente de trabalho.

Além disso, fazer reuniões ou aplicar questionários voltados a aspectos ambientais, sociais e de governança são ótimos para captar ideias. Por fim, canais de denúncia de infrações e ouvidorias são fundamentais para detectar problemas.

5. Siga a legislação e a LGPD

Todo ramo de negócios tem sua própria legislação, que deve ser seguida à risca para não sofrer multas ou penalidades. Os órgãos fiscalizadores estão sempre de olho, então um descuido pode gerar grandes prejuízos.

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) é uma dessas leis que precisam ser muito bem compreendidas para serem aplicadas com exatidão. Isso porque ela define diversas regras para a gestão de informações nas empresas.

Para que todos os seus funcionários a conheçam e saibam utilizá-la, você pode criar manuais bem detalhados, compilando todos os tópicos necessários. Também é possível elaborar manuais, workshops ou mesmo cursos relacionados à conduta ética e respeito à legislação.

A BHub está aqui para te ajudar nisso! Um dos produtos do Legal as a Service é justamente um pacote completo para adequação de empresas à LGPD. Com isso, você não precisa mais se preocupar com vazamento, ou má utilização de dados de funcionários e clientes. Tudo estará nas mãos de profissionais qualificados.

Um homem branco está sentado em um escritório, de frente para um laptop prateado, que está sobre uma mesa de madeira. Só é possível ver seus braços. Ao lado do laptop, há uma agenda e um celular. No fundo da imagem, fora de foco, uma mulher também está sentada mexendo em um laptop.
Seus funcionários precisam estar cientes de todas as normas da LGPD.

Nossos outros planos ainda oferecem gestão financeira completa, serviços de contabilidade digital e administração dos departamentos fiscal e pessoal. Assim, você tem muitas opções de terceirização, todas elas pelo preço de um estagiário!

Entendeu a importância do ESG e deseja colocá-lo em prática com o auxílio de uma assessoria legal? Entre em contato com nossos especialistas e escolha o melhor plano para a sua empresa!

Posts Relacionados

Últimos posts

imagem de um banner

Economize tempo e dinheiro

Garanta a excelência de uma equipe especializada a um preço justo e acessível.

Falar com especialista